Pele Negra: cuidados e procedimentos!

Ao contrário do que muitos pensam a pele negra precisa de tantos cuidados quanto a pele branca. Apesar de a melanina (substância responsável pela pigmentação) servir como um protetor solar natural, o risco de câncer de pele é iminente, assim como de inúmeros outros problemas que afetam tanto a saúde quanto a estética do rosto e corpo.

É fácil explica que a melanina, além de reduzir a propensão aos tumores cutâneos, minimiza o fotoenvelhecimento. Outra vantagem da pele negra em relação à branca são os níveis de firmeza e elasticidade, que são maiores. Isso se deve ao fato de os fibroblastos, que são responsáveis pela produção de colágeno, serem mais ativos na cútis escura.
Por outro lado, esse tipo de pele é mais propenso a desenvolver manchas, foliculite e excesso de oleosidade, resultando no aparecimento de acne. 

Protetor solar.

Um dos maiores equívocos que as pessoas cometem é pensar que a proteção solar é dispensável à pele negra. Esse tipo de pele tem predisposição à hiperpigmentação, tornando fundamental o uso do filtro. Como a quantidade de melanina é maior na pele negra, ela precisa ser mais protegida do que as outras para não pigmentar demais. É preciso ter muita atenção, pois a pele negra não fica avermelhada quando é superexposta ao sol e, por isso, não dá o alerta de que está sendo prejudicada.
Além disso, a falta de proteção eleva o risco de câncer de pele. O recomendado pela especialista é utilizar, pelo menos, o fator de proteção 30.

Envelhecimento.

A cútis negra é, de fato, mais resistente ao envelhecimento (por conta da ação dos fibroblastos). Porém, isso não significa que é imune. É sempre melhor prevenir o envelhecimento de pele do que tratá-lo. Uma forma simples e eficaz de fazer isso é usando protetor solar desde cedo.
Mulheres negras também devem usar protetor solar diariamente

Excesso de oleosidade.

Se por um lado a ação intensa dos fibroblastos garante a firmeza da pele, ela também provoca o aumento da oleosidade, propiciando o surgimento de comedões e acne. Se não tratados corretamente, estes problemas ainda podem resultar em manchas.
A recomendação é higienizar o rosto duas vezes ao dia com sabonetes anti-oleosidade, de preferência líquidos. Isso evita a formação de cravos e espinhas.

Manchas.

Os fatores que mais contribuem para o aparecimento de manchas na pele negra são acne, queimaduras e procedimentos cirúrgicos ou estéticos, como peeling e depilação. Melasmas também são comuns nestas pessoas, geralmente causados por radiação solar, gestação ou uso de anticoncepcionais.
Para evitar estes problemas, o tratamento da pele negra deve ser feito com agentes menos agressivos, devido à maior concentração de melanina, a pele pode ter uma reação extrema aos produtos mais abrasivos, produzindo manchas.

Foliculite.

A combinação do excesso de oleosidade com a presença de pelos encaracolados facilita o surgimento de pelos encravados, que podem inflamar e evoluir para uma foliculite. Muitas vezes ela é confundida com espinhas e pode causar manchas. Para evitar o problema, a orientação é fazer, semanalmente, uma esfoliação física nos locais mais afetados.

Hidratação.

Por fim, a pele negra requer hidratação reforçada. Por ter a epiderme mais espessa, ela é mais resistente a agressões externas. Por outro lado, essa proteção natural impede que a pele absorva corretamente os ativos hidratantes. Por conta disso, é comum que surjam pontos ressecados pelo corpo e manchas esbranquiçadas.
A indicação é usar um hidratante todos os dias, especialmente nas regiões mais secas. Banhos longos e excessivamente quentes não são recomendados, assim como o uso de buchas e outros esfoliantes que possam agredir a pele e causar um ressecamento ainda maior.

Procedimentos.

Laser e luz intensa pulsada.

Um dos principais dramas das peles negra e morena escura são as manchas na pele, olheiras e foliculite. Para o tratamento desses problemas e também dos efeitos do envelhecimento, como rugas e flacidez, há os procedimentos com laser e luz intensa pulsada. No entanto, é preciso consultar-se com um dermatologista e realizar o tratamento com sua supervisão para garantir os resultados esperados. A escolha do aparelho, bem como sua manipulação, é muito importante para que o procedimento seja feito com eficácia e segurança.
O laser fracionado não-ablativo é o aparelho mais indicado para essa tonalidade de pele, alguns exemplos deste tipo de laser são o ND:YAP, Er:Glass e o laser de fibra. Isso porque a energia desse tipo de aparelho não é atraída pela melanina, mas pela água deste tecido, o que evita que a energia altere a pigmentação da pele.

 Preenchimento e outros tratamentos estéticos antienvelhecimento.

Por conter mais melanina, a pele negra tem filtro solar natural e sofre menos os danos causados pelo sol. Além disso, as peles negra e morena escura têm mais colágeno do que a pele branca, o que mantém a pele mais firme, evitando flacidez e rugas, por isso, ela sofre menos com os efeitos da idade.
Os tratamentos para quem tem pele negra ou morena escura são os mesmos que para qualquer outra tonalidade de pele, mas podem começar mais tarde. Preenchimentos faciais, laser e peelings podem ser feitos, mas a idade de início desses tratamentos é mais tardia, em média aos 40 anos.

 

Os Homens estão morrendo mais de Câncer de pele.

Qualquer pessoa pode ter câncer de pele, porém existem alguns fatores de risco, como: pessoas muito claras, que se queimam facilmente; exposição excessiva e prolongada ao sol; indivíduos com história familiar de tumor na pele; exposição a compostos ocupacionais como alcatrão ou arsênio; cicatrizes de queimaduras.

O câncer cutâneo caracteriza-se pelo crescimento anormal e descontrolado das células que compõem a pele. É o mais frequente dos tumores existentes. Acomete aproximadamente 14% dos homens e 9% das mulheres brasileiras, segundo os últimos dados da Campanha Nacional de Prevenção ao Câncer de Pele organizada pela Sociedade Brasileira de Dermatologia.

Qualquer pessoa pode ter câncer de pele, porém existem alguns fatores de risco, como: pessoas muito claras, que se queimam facilmente; exposição excessiva e prolongada ao sol; indivíduos com história familiar de tumor na pele; exposição a compostos ocupacionais como alcatrão ou arsênio; cicatrizes de queimaduras.

Muitos tumores de pele poderiam ser evitados se medidas de prevenção fossem aplicadas em épocas apropriadas.

Os tipos mais comuns e frequentes de câncer de pele são o carcinoma basocelular, o carcinoma espinocelular e o melanoma.

Carcinoma Basocelular.
Dentre todos é o tipo mais frequente e representa 70% dos casos. É mais comum após os 35-40 anos, em pessoas de pele clara. O aparecimento está diretamente ligado à exposição solar cumulativa durante a vida. É mais frequente em áreas expostas ao sol (cabeça, pescoço, braços e mãos) e se apresenta como elevações ou áreas avermelhadas e brilhantes, com crescimento lento, de meses a anos. Apesar de não causar metástases (espalhar para outras áreas do corpo), o carcinoma basocelular pode causar importantes danos locais quando acomete estruturas abaixo da pele tais como nervos, cartilagens e ossos. Por isso, deve ser tratado o mais rápido possível.

O tratamento vai depender do tipo de lesão, da idade, das doenças concomitantes que o paciente apresenta e do local anatômico em que a lesão está situada. Pode-se fazer tratamento cirúrgico (retirada e sutura da lesão), terapia fotodinâmica (aplicação de produto químico e exposição a luz vermelha ou azul), quimioterápico local com imiquimode, congelação com nitrogênio líquido, curetagem e eletrogoagulação com bisturi elétrico. O laser não é tratamento para carcinoma basocelular, a não ser que seja usado apenas para o corte da lesão e posterior sutura.

Carcinoma Espinocelular.
É o segundo tipo mais comum de câncer de pele. Também é mais encontrado em pessoas de pele clara com história de intensa exposição solar. Outras causas são o tabagismo, a exposição a substâncias químicas como arsênio e alcatrão e alterações de imunidade. Acomete mais orelha, face, lábios e boca e pode aparecer como uma elevação avermelhada que descama e que pode ulcerar (virar ferida) e também invadir outros tecidos. Diferente do carcinoma basocelular, este tumor pode ocasionar metástases; por isso, é importante que seja tratado o quanto antes. Quando diagnosticado e tratado rapidamente, a taxa de cura, tanto do carcinoma basocelular quanto do carcinoma espinocelular, é de aproximadamente 95%.

Higienizar a pele antes e depois do exercício é indispensável.

O primeiro passo para um rosto impecável antes de fazer exercício é o de limpar a pele em profundidade. Para remover a maquiagem, oleosidade e impurezas, o ideal é apostar na água micelar, que limpa sem agredi a cútis. Para quem vai do trabalho para academia, a dica é carregar na bolsa lencinhos mecelares, que promovem o mesmo efeito e ainda têm poder esfoliante. O importante é fazer a limpeza correta do rosto, remover a maquiagem e qualquer resíduo de cremes.

Depois do treino, a limpeza especial da pele também ganha espaço na rotina: é essencial fazer uma nova higienização, com água e sabonete ou uma solução mecelar, para evitar que o acúmulo de suor, óleo e sujeira penetre os poros, obstruindo-os. O ideal é um banho relaxante, com água morna para remover o suor do corpo. Mas nada de água quente! O banho com água muito quente remove a camada de proteção da pele, deixando-a mais ressacada.

Independente do lugar onde pratica os seus exercícios, é essencial caprichar na aplicação do protetor solar durante as atividades diurnas. Use um fator de proteção igual ou superior a 30 em todas as áreas expostas do corpo e um fator maior para proteger melhor o rosto. Para aqueles não abrem mão de cobrir as olheiras ou alguma imperfeição do rosto, no entanto, a dica é usar o BB Cream, que também tem FPS, de modo localizado.

Além de beber bastante água e cuidar do rosto, a pele do corpo também necessita de atenção redobrada na hora de fazer atividade físicas. Devido aos movimentos repetidos, o atrito causado pela roupa na pele pode causar irritação ou até ressecamento. Por isso além de hidratar a pele do corpo inteiro depois de cada banho, vale ainda um creme ou loção antes de exercício, para criar uma camada protetora.

Como cuidar da pele antes e depois da maquiagem.

Com a popularização de canais sobre maquiagem no YouTube, esse mercado teve um crescimento como não se via há muito tempo. Também… não é para menos: garotas comuns criaram uma audiência enorme e muito bem delimitada para esse nicho. Em pouco tempo o lucro das empresas de maquiagem começou a subir, essas blogueiras alcançavam um público maior e por um preço muito menor do que outras formas de publicidade.

Com esse novo boom no uso de pós-compactos, batons e lápis de olho, principalmente em um público tão jovem, uma preocupação também ganhou força: como proteger a pele com esse uso contínuo de produtos de beleza?

Cuidados com a pele antes da maquiagem

O mais importante antes de aplicar seus produtos é levar bem o rosto para tirar toda sujeira e oleosidade. Nesse momento use água morna e um sabonete específico para seu tipo de pele

Para deixar sua pele saudável e pronta para sua make, hidrate ela sempre; opte por produtos sem óleo caso você já tenha algum problema com os poros. Se você usa algum creme anti-idade, aplique-o antes da maquiagem. O protetor solar nunca deve ser esquecido, nem mesmo em dias de chuva.

Para deixar o seu trabalho ainda mais bonito, utilize o Primer, ele vai diminuir a oleosidade e fechar seus poros, uniformizando a sua pele para melhor fixação da maquiagem.

Cuidados com a pele depois da maquiagem

Primeiro e mais importante: nunca durma com a maquiagem no rosto. Além de não ser higiênica, a sujeira e oleosidade obstruem os poros, aumentando as chances de cravos e espinhas aparecerem, deixando a pele mais ressecada, com rugas, e mais propensa a reações alérgicas.

Para deixar sua pele respirar depois do uso de maquiagem, use um demaquilante para retirar o excesso. Em seguida, utilize um sabonete neutro para lavar o rosto. Para garantir que não restou nada, use um tônico.

Antes de dormir volte para a hidratação: passe o seu creme preferido, principalmente na região dos olhos, que é a parte mais sensível do rosto em relação ao tempo.

Enfim, maquiagem faz mal à pele?

Tomar sol, comer mal, dormir pouco e fumar fazem mal a pele; usar maquiagem sem os devidos cuidados também. Tratando bem a sua pele e usando produtos dermatologicamente testados, não há porque evitar o uso de produtos cosméticos, mas, se houver qualquer reação não esperada da sua pele, venha em nosso consultório.

 

 

Como cuidar da pele no inverno.

O inverno faz a pele do rosto e corpo sofrerem com a secura e principalmente com o vento frio. A tentação de banhos quentes é grande, mas isso só faz piorar o ressecamento da cútis. Com a diminuição da umidade do ar, ficamos muito suscetíveis as rachaduras e até alergias, por isso a importância dos cuidados diários.

O post de hoje traz algumas dicas de cuidados durante as estações mais frias, para que você possa garantir uma pele hidratada e perfeita, confira:

Antes de sair de casa

Para que sua pele não seja pega desprevenida pelo vento, capriche na hidratação do rosto e mãos, principalmente. Abuse dos hidratantes com filtro solar, preferindo sempre os que combinam com o seu tipo de pele. Pode não parecer, mas o sol do inverno também é forte. Nessa época a pele precisa de vitaminas, não pode perder a oleosidade natural e muito menos ficar mais seca do que já é. Proteja-a com produtos apropriados.

Antes de dormir

Os banhos quentes tendem a ressecar a pele do rosto e do corpo, então você precisa fazer uma hidratação profunda durante ou logo após o banho. Aposte nos sabonetes hidratantes, cremes com enxague e aqueles de hidratação intensiva; aplique por todo o corpo. Um banho quentinho é tudo que queremos depois de um longo dia, mas perceba como sua pele fica completamente seca, podendo até escamar. A dica para recuperação da cútis do rosto é um hidratante noturno potente, para que ela se recupere durante a noite.

Esfoliação.

Por mais que pareça desnecessária, engana-se quem deixa de esfoliar a pele durante o inverno. A esfoliação irá renova-la, pois varre as células mortas da superfície e potencializa a ação dos hidratantes. No banho, espalhe o esfoliante corporal com uma bucha vegetal, repetindo o processo de 15 em 15 dias. A esfoliação facial precisa ser feita com um produto próprio para o rosto, uma vez por semana. Com movimentos circulares, espalhe o produto de maneira suave, para que ele não seja tão abrasivo com a pele.

Cotovelos, pés, joelhos e calcanhares

Essas extremidades costumam ficar ainda mais ressecadas no inverno e é por isso que necessitam de atenção especial. Capriche na esfoliação e hidratação delas! Invista em hidratantes poderosos, bem como em pomadas para assaduras de bebê, que possuem alto índice de hidratação e proteção da pele.

Alimentos e líquidos

Tome água, muita água! Ela irá auxiliar no processo de hidratação da pele e de todo o organismo. Invista em chás digestivos, saudáveis e deliciosos. Os alimentos desintoxicantes também são uma boa aposta: aveia, castanha-do-pará, nozes, linhaça, chia, chá verde, muitos legumes, verduras e frutas. Alimentos e líquidos saudáveis farão toda a diferença, pois quando estamos hidratados, nossa pele fica macia, com saúde, brilho e elasticidade.

Se tiver dúvidas quanto aos produtos que deve usar, consulte seu Dermatologista, pois ele saberá te indicar as melhores marcas de hidratantes corporais e faciais. Seja qual for a estação cuidar bem da sua pele que não deve ser deixado de lado.