6 problemas na boca que o dermatologista pode ajudar a tratar.

Pouca gente sabe, mas o dermatologista não cuidado somente da pele, unhas e cabelos, mas também das mucosas. Portanto, esse médico pode ajudá-lo com doenças da boca. Hoje iremos destacar alguns problemas que surgem na boca e que podem ser tratados pelo dermatologista.

1) Queilite angular ou “boqueira”: Essas lesões surgem no cantinho da boca e se manifestam de uma hora para outra como uma assadura uni ou bilateral que pode ter fissuras e doer. Não é umas doenças única que causa esse problema. Pode ser uma dermatite de contato pela pasta de dentes ou ácido noturno, acúmulo de saliva por defeito de oclusão (desgaste dos dentes ou placa) e uma micose chamada candidose. Cada causa tem seu tratamento específico.

2) Herpes labial: quem tem, já conhece o quadro. Surgem vesículas, que são pequenas bolinhas de água, que cursam com coceira, ardor ou dor no local e fazem com que o lábio inche. Pode começar com dor para morder ou dor de dente, antecedendo a lesão na pele. A causa é o herpesvirus e o tratamento pode ser feito com comprimidos ou pomadas antivirais, dependendo de cada caso.

3) Queilite actínica ou inflamação crônica dos lábios por dano solar. O termo “queilite” significa   “inflamação dos lábios” e esse quadro consiste no desaparecimento do limite do vermelhão do lábio com a pele em volta. Fica tudo da mesma cor, caracterizando o dano causado pelo sol. O problema desse tipo de lesão é que ela é precursora do câncer de lábio e dependendo de cada caso é necessário fazer tratamento cirúrgico e análise histopatológica para avaliar o grau de atipia. Esses pacientes devem ser avaliados e, se necessário, submetidos a cirurgia (vermelhonectomia).

5) Toxina botulínica para pacientes que possuem hipertrofia do masseter e bruxismo: após a avaliação e tratamento com o odontologista, talvez seja interessante associar a aplicação de botox nesses pacientes. O botox diminui a função do músculo e pode inclusive alterar o contorno da face, tornando-o mais oval e menos quadrada.

6) Gengivite descamativa: ok, existe a gengivite por má higiene. Ele ataca as gengivas e torna essa região vermelha e propensa a sangramentos. Porém, há um quadro em que ocorre uma descamação e ulceração das gengivas. Isso pode refletir uma doença autoimune, como reações medicamentosas, lupus, pênfigo vulgar e o penfigóide bolhoso.

Axilas Clarinhas.

Estamos na primavera, a tendência é que a temperatura volte a subir. Dias quentes e ensolarados pedem roupas frescas e decotadas. Para espantar o calor, um bom banho de piscina ou ida à praia são programas atrativos.

Entretanto, não há nada mais chato e, às vezes, um tanto constrangedor do que axilas escurecidas. O problema atinge a grande maioria e é ocasionado devido à sensibilidade local.

Inúmeros fatores podem influenciar na coloração da região como, por exemplo, higienização inadequada, excesso de suor, acúmulo de células mortas, fricção da roupa, peças muito justas ou que soltam penugem.

Além destes, depilação com cera ou outros produtos, desodorantes que contêm álcool, além da exposição ao sol, de problemas hormonais ou da falta de hidratação, provocando o ressecamento da região.

Evitando o escurecimento

A maioria das mulheres se sente incomodada ou constrangida quando suas axilas assumem essa coloração mais escura. Principalmente, quando se tem a pele muito branca, deixando a marca mais em evidência.

* Depilação com lâminas ou cera: apesar da praticidade, quem já apresenta axilas mais escuras deve evitar o uso da lâmina, pois ela pode irritar ainda mais o local, provocando um processo inflamatório e escurecendo ainda mais a pele. Por outro lado, mulheres com a pele muito branca também podem ficar com a região escura através da depilação com cera.

* Antitranspirantes: esse tipo de desodorante tem como função evitar a transpiração e sudorese na região. Para isso, ele fecha os poros, fazendo com que as impurezas se tornam manchas escuras. Se não tiver como abrir mão, evite uso excessivo do produto. Além disso, limpe a região com água e sabão neutro e dê preferência por desodorantes naturais;

* Roupas de algodão: em especial durante o verão, prefira peças em algodão para evitar a sudoração excessiva, prevenindo, assim, as manchas;

* Irritações na pele: A irritação pode provocar manchas nas axilas. Quando isso ocorre, a pele coça e sofre pequena descamação, além do surgimento de pequenas brotoejas, deixando a pele mais escura. A dica é lembrar-se de mantê-la sempre hidratada com produtos naturais, para que não cause alergia.

Shampoo com ou sem sulfato?

Na hora escolher o shampoo é normal ficar em dúvida sobre entre um produto com ou sem sulfato. Afinal, o que é sulfato? Quais ou benefícios de usar um shampoo com esse componente? E sem ele?

A DIFERENÇA ENTRE SHAMPOO COM OU SEM SULFATO.

Nenhum dos produtos é contraindicado, o importante é saber em qual situação o shampoo com sulfato se encaixa melhor e em que momento o sem sulfato será mais útil. O sulfato é um composto químico conhecido como o sal do ácido sulfúrico. A principal diferença entre os dois produtos está na limpeza. O shampoo sem sulfato limpa o fio sem maiores agressões e mantém a oleosidade natural da raiz. Já o com sulfato limpa mais profundamente o couro cabeludo, retirando consideravelmente a oleosidade da região.

QUANDO USAR O SHAMPOO SEM SULFATO.

Os produtos sem sulfato realizam uma limpeza mais leve e, por isso, agridem menos o couro cabeludo. O expert alerta que, na hora de escolher, o importante é entender a necessidade dos seus fios. Quando a cliente realiza algum processo químico como mechas ou progressivas, o sem sulfato é ideal, pois a região estará sensível e o produto vai manter os nutrientes do couro cabeludo por mais tempo.

QUANDO USAR O SHAMPOO COM SULFATO.

O produto que contém sulfato em sua fórmula vai realizar uma limpeza profunda no couro cabeludo, retirando toda a oleosidade que protege a região. São mais indicados para cabelos oleosos, pois controlam a oleosidade natural das madeixas sem retirar seus ativos hidratantes. Além disso, também ajuda a minimizar o desbotamento da cor.

 

Benefícios de água de coco: da pele ao cabelo.

Calor? Seca? Sede?

A água de coco é considerada uma das melhores bebidas hidratastes, além de saborosa, claro.
Ela é composta por água fresca, carboidratos leves e açúcar e contém compostos orgânicos extremamente benéficos para a saúde humana.
O coco, por se encontrar em uma posição preferencial na palmeira, atua como infiltrador natural de água para chegar ao centro da fruta.

Antes de chegar lá a água passa por inúmeras fibras que a purificam e dão como resultado essa bebida rica em vitaminas e minerais.

A água de coco pode ser mais benéfica do que o leite, e muito melhor que bebidas consumidas por atletas, já que contém mais potássio do que a banana, poucas gorduras, calorias e colesterol, e é biologicamente mais saudável.

A água de coco também pode ser adicionada à nossa “farmácia caseira”, porque o fruto tem qualidades antivirais, antifúngicas e antimicrobianas.

Benefícios

  • Vitamina A

Fundamental para as funções oculares.

  • Sais minerais

Tem cobre, zinco, ferro, ácido fólico, fósforo e potássio.

  • Antioxidante

Tem citocinas, que agem contra o envelhecimento, aos processos de trombose e à degeneração oxidativa.

  • Elimina toxinas

Por conter boa quantidade de potássio, torna-se um grande regulador de eletrólitos, o que ajuda o organismo a se desfazer das toxinas de maneira natural.

  • Fibras

Estimulam o bom desempenho intestinal, removendo obstruções ou substâncias fermentadas do intestino, que causam sérios problemas de saúde.

Pele

Ajuda da minimizar manchas no rosto e deixar a pele mais suave. É só aplicar água de coco diretamente, todas as noites após lavá-lo.
Ajuda também a tratar os casos de acne, rosácea, cicatrizes, estrias e caroços.
Ajuda a eliminar a gordura da pele, além de ser boa para tonificá-la, deixá-la mais bela e regenerar suas células.

Caspa

usada como enxágue para o cabelo, previne e ajuda a combater a caspa.

Dor de cabeça

Ajuda a manter a concentração mental e colabora na prevenção de dores de cabeça, porque mantém os níveis naturais de fluidos corporais e ao organismo devidamente hidratado.

Outros benefícios

Remineraliza ossos, unhas e dentes. Por isso seu consumo é recomendado para crianças em fase de crescimento, mães em período de amamentação e mulheres grávidas.

Ajuda pessoas que sofrem de colite, úlcera gástrica, fraqueza estomacal e prisão de ventre.

Ajuda a regular níveis de fluidos corporais, o que beneficia o funcionamento correto da pressão sanguínea e contribui para uma boa circulação sanguínea e linfática.

Ajuda a aliviar a tensão no pâncreas e no sistema de enzimas.

A presença de sal e albumina torna a água de coco uma bebida excelente para casos de cólera.

Ajuda também em problemas com parasitas.

Mas lembre-se: para obter todas as propriedades da água de coco, o ideal é tomá-la diretamente da fruta.

Vitiligo

O que é?

Doença de causa desconhecida, o vitiligo caracteriza-se pela presença de manchas acrônicas (sem pigmentação) na pele. As lesões formam-se devido à diminuição ou ausência de melanócitos (células responsáveis pela formação do pigmento melanina, que dá cor à pele) nos locais afetados.

A causa disto ainda não está clara, mas fenômenos autoimunes parecem estar associados ao vitiligo. Além disso, é comum a correlação com alterações ou traumas emocionais que poderiam atuar como fatores de desencadeamento ou agravação da doença.

Manifestações clínicas do vitiligo

As manchas típicas do vitiligo são brancas, com total ausência de pigmento. Têm limites bem definidos e podem apresentar um fino halo de pele mais escura ao seu redor. As lesões não apresentam quaisquer sintomas.

O vitiligo costuma atingir principalmente a face, extremidades dos membros, genitais, cotovelos e joelhos, mas pode chegar a acometer quase toda a pele. Quando atinge áreas pilosas, os pelos ficam brancos.

O vitiligo tem curso crônico. Não há como prever a evolução da doença, que pode permanecer estável durante anos, voltar a se desenvolver ou regredir espontaneamente. Em um mesmo paciente podem ocorrer simultaneamente a regressão de algumas lesões enquanto outras se desenvolvem.

Uma característica da doença é que ferimentos na pele podem dar origem a novas lesões.

Apesar do vitiligo não causar nenhum prejuízo à saúde física, as alterações estéticas muitas vezes causam distúrbios psicológicos que podem prejudicar o convívio social. O grau de comprometimento emocional pode acabar interferindo negativamente na evolução da doença. Quando necessário, o acompanhamento psicológico dos pacientes em tratamento pode ser fundamental para um bom resultado.

Tratamento

O vitiligo se apresenta de forma e intensidade variada em cada paciente, portanto, o tratamento indicado pelo dermatologista deve ser individualizado, de acordo com cada caso.

Medicamentos que exercem ótimos resultados em alguns pacientes podem não ter efeito algum em outros. Muitas vezes, os resultados parecem estar mais relacionados ao paciente tratado do que ao tratamento em si.

As medicações visam corrigir as alterações imunes responsáveis pelo processo de despigmentação ou estimular os melanócitos presentes nas lesões a produzirem a melanina.

A repigmentação das lesões se dá a partir dos folículos pilosos, formando-se pontilhado pigmentar dentro das manchas. Estes pontos aumentam progressivamente coalescendo para fechar a lesão

Com o alargamento dos pontos pigmentados, estes começam a se unir e acabam por fechar as áreas sem pigmentação entre eles, repigmentando as manchas progressivamente, o que pode levar ao seu desaparecimento completo.

Nos casos de vitiligo estável (quando não surgem novas lesões e as existentes não aumentam de tamanho), algumas técnicas cirúrgicas promovem a transferência de melanócitos obtidos em áreas de pele saudável para a área afetada. Uma vez incorporados ao tecido estes iniciam a produção de melanina repigmentando a lesão.

O vitiligo é uma doença que tem tratamento, mas este é demorado e exige paciência. No caso das crianças, é importante que os pais tentem se controlar para não transmitir sua ansiedade para elas, fazendo-as pensar que sofrem de uma doença grave, o que só trará dificuldades ao tratamento. É importante lembrar que o vitiligo não traz nenhuma alteração de saúde apesar do grande distúrbio estético.